Nunca tive medo de envelhecer

Nunca tive medo de envelhecer

Taí uma coisa que nunca fez parte das minhas neuras. Talvez porque eu não seja tão vaidosa a ponto de me incomodar com flacidez, estrias e celulites (que sempre existiram) ou com as rugas e manchas que eu sabia que iam chegar e outras cositas mas.

Mas eu percebi que depois que eu me tornei mãe, o medo do envelhecer, tem ficado cada vez mais latente. Volto a dizer que não por uma questão estética e de aparência. Mas por uma questão de tempo de qualidade, saúde e vitalidade para aproveitar os meus filhos o máximo que eu puder.

Por mais que, na teoria, sei que não posso prever o futuro, é fato que quando eu penso que terei 60 anos quando eles tiverem seus 20 e poucos, confesso que isso me deixa um pouco angustiada.

A cada viagem que faço eu sempre desejo ardentemente poder apresentar as maravilhas do mundo para eles e queria voltar nos mesmos lugares quando fossem mais velhos e pudessem compreender melhor. Mas certamente com 20 e poucos anos, esses lugares não serão maravilhosos para eles e para mim com 60, certamente as condições físicas serão bem diferentes das de hoje aos 40.

Quando penso que podemos viver juntos duas fases tão temidas como a adolescência e a menopausa, me desafio a manter minha mente sempre jovem e antenada e a transmitir valores que façam com que o olhar deles para o “ser” seja muito mais importante que para o “ter”. Pois uma relação baseada no amor, carinho, respeito, compaixão e admiração se constrói lentamente e se fundamenta nos momentos mais difíceis.

A vida é feita de escolhas. Eu fiz a minha ao ter filhos após 38 anos e não me arrependo. Sorte que a longevidade e expectativa de vida só aumentam. Mas eu sei que toda causa tem uma consequência. Por isso estou plantando sementes no coração dos meus filhos que já estão brotando.

E você? Quais semente está plantando no coração dos seus filhos? Compartilha com a gente?