Pare de reclamar

Pare de reclamar

Um dia desses estava navegando pelo Instagram e me deparei com um vídeo que me chamou a atenção. Uma moça que fazia uma dancinha esquisita em um quarto de hospital.  Ao começar a ler o texto dela não consegui conter as lágrimas e fiquei extasiada com a sua sensibilidade e profundidade.

@dudariedel é uma moça de 24 anos, linda, talentosíssima e que luta desde maio contra uma leucemia. Ela dá uma lição de vida por meio de suas reflexões, pensamentos e desabafos; conta como sua vida era pautada em preocupações superficiais e que realmente consumiam boa parte da sua vida. Obviamente hoje, diante da luta pela sobrevivência, suas preocupações se tornaram mais reais e profundas.

Isso me fez pensar o quanto nos deixamos consumir por pequenos problemas do dia a dia e que na ânsia de viver o “hoje” intensamente tornamos, o que nem é tão grave assim, em um fardo desnecessário.

Tocada por suas palavras eu me dei conta de que reclamo da falta de sono, da falta de paciência com as birras, das brigas entre os irmãos, da teimosia em não me deixar escovar os dentes (do jeito que eu queria), da sujeira no chão depois das refeições, do nariz escorrendo toda hora, quando saem correndo pelados pela casa fugindo do banho, de quando implicam com a roupa e não querem usar aquele look que eu escolhi... e assim eu passaria horas fazendo uma lista de reclamações.

E o que eu aprendi com essa situação? Que a partir de agora vou parafrasear a Duda sempre dizendo para mim mesma: “agradeço pelas minhas 150 mil plaquetas porque ela só tem 42 mil”.  Sim, porque no final do dia é isso que realmente importa, o resto vai passar e se transformar ao longo da vida.

Faça o mesmo, pare de reclamar do que é passageiro e agradeça pelas suas plaquetas!