Você sabia que o vício em eletrônicos é considerado doença pela Organização Mundial da Saúde?

Você sabia que o vício em eletrônicos é considerado doença pela Organização Mundial da Saúde?

Desde outubro de 2018 a obsessão por videogames foi classificada como um dos problemas de saúde mental, que constam na 11ª Classificação Internacional de Doenças (CID). É fato que os jogos são extremamente atraentes para os mais novos. Eles estimulam o mecanismo de recompensa cerebral e isso gera a necessidade de passar cada vez mais tempo jogando, até o momento em que não se consegue mais ter controle. Se o jogo está afetando atividades básicas, como comer, dormir, socializar ou ir à escola, esse é o sinal de que pode ser um problema.

Um estudo recente feito na Universidade de Oxford sugeriu que, apesar de as crianças no geral passarem cada vez mais tempo na frente das telas, isso não necessariamente representa vício, porém cabe aos pais observarem de perto essa evolução. O problema é que as habilidades digitais estão se sobrepondo à aquisição de competências que só adquirimos nas interações reais e o tempo de uso pode ultrapassar o limite saudável. Isso traz como uma das consequências o afastamento do convívio e da interação com pessoas e situações do mundo real. O que pode levar a perda das referências e dos parâmetros com as relações interpessoais.

Então fica a dica: não é necessário proibir, apenas controlar e observar!